Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Mudanças ou os Ventos de Santa Ana

No filme “The Holiday” há uma cena muito simples mas com imenso significado. Para mim, pelo menos. Fala dos ventos de Santa Ana. Para quem não viu o filme, trata de duas mulheres que decidiram dar uma volta nas suas vidas, numa espécie de fuga prá frente, e por isso, num impulso, inscrevem-se num site de troca de casas. Uma em Inglaterra, outra nos Estados Unidos. Na Califórnia mais precisamente.

Voltando à cena: uma delas está em frente da sua “nova” casa com um dos personagens e sopram ventos fortes. E ele diz-lhe: “The wind...It's what makes it so warm at this time of the year. Legend has it, when Santa Anas blow, all bets are off, anything can happen.”

Nas duas últimas semanas estes ventos devem ter andado a soprar por estes lados. Em imensas pequenas coisas senti que era altura de mudanças. E quando são vários os sinais… uma pessoa deve fazer por segui-los, não é?

Tudo começou com uma saudade de tempos bons. Tempos em que recebíamos amigos em casa para jantares animados, com partilha de alimentos e experiências. Depois foi a oportunidade de me desfazer de dois telemóveis antigos, daqueles que estão ali na gaveta porque não sabemos o que lhes fazer. Com a mudança de telefone… veio também toda uma nova oportunidade: novas conversas. Sem histórico. A minha resistência à mudança manifesta-se neste tipo de coisas… mudar de telemóvel implica ganhar umas coisas e perder outras. Desta vez decidi que ia ver esta “chatice” como uma oportunidade para o novo. Novas conversas, filtrar o que importa e alimentar o que nos faz bem.

Também senti o ímpeto de fazer algumas alterações em casa. Deixar de adiar esta ou aquela tarefa. Dar prioridade aquilo que embora considere prioritário, é muitas vezes adiado. E senti vontade de sair para caminhar, até nos dias em que não precisava de o fazer para me deslocar do ponto A ao ponto B. E com estas “vontades” consegui superar-me mais uma vez. E essa sensação é sempre boa!

As mudanças trazem normalmente algumas dores… nem que sejam musculares! Implicam desfazer nós, desfazermo-nos de coisas/situações com as quais já estamos confortáveis, mesmo que saibamos que já não fazem parte do que somos ou do que queremos ser. Mas é mais fácil, ou parece muito mais fácil, manter do que mudar.

Mas ao mesmo tempo, as mudanças também trazem leveza, ar fresco, oportunidades de melhoria e renovação. De fazer um upgrade à nossa própria versão. Mesmo que sejam ligeiras atualizações… são sempre atualizações!

E por isso não se esqueçam, se sentirem um ventinho passar, aquela brisa quentinha na cara, pensem nos Ventos de Santa Ana e deixem-se voar. Está tudo em jogo, e tudo pode acontecer!

 

P.S.: No Domingo à noite, num fim de semana em que me empenhei nesta coisa da mudança e por isso estava feliz mas exausta… decidi ultrapassar o cansaço e fui “correminhar” como diz uma das minhas amigas. Ia apenas caminhar, mas apeteceu-me correr um bocadinho e acelerei o passo. Fui a ouvir o “Era o que faltava” com o Rodrigo Leão, que recomendo. Quando estava quase a chegar a casa ouvi uma das músicas dele que mais gosto, que me deixa bem disposta e que até já foi o meu serviço despertar (se calhar vai voltar a ser). Espero que anime também o vosso dia!

 

 

Abranda os teus passos apressados

via

 

Estas últimas semanas até ao final do ano são sempre muito atribuladas. Jantares, lanches, atividades, compromissos, compras, tarefas, tudo parece ter de se encaixar qual peça de tetris… e nem sempre é fácil… e acabamos por andar agitados e pouco serenos. Concordam?

Copiei o título deste post de um post do blog da Graça Paz. É como um mote, ou um mantra. Abrandar. É fundamental para aproveitar os dias desta época festiva. Contra mim falo… ainda hoje de manhã comentava com uma amiga que estou a ver as coisas todas a acumular e eu sem conseguir perceber quando me dedicar a cada uma delas… mas tudo se resolverá!

E por isso, e porque acho que nesta época devemos aproveitar para usufruir do que ela tem de melhor: alegria, cor, animação, luzes, sabores e sons, sugiro um conjunto de “atividades” para irmos pondo em prática nos dias que correm até ao final do ano. Na verdade… deveríamos guardar esta lista e de vez em quando revisitá-la. Afinal o Natal é quando nós quisermos!

 

  1. Escrever uma carta ao Pai Natal
  2. Acender velas em casa
  3. Recortar flocos de neve e decorar as janelas
  4. Dizer bom dia à primeira pessoa que encontrarmos na rua.
  5. Deixar um postal de Natal na caixa de correio dos vizinhos
  6. Ir ver as iluminações de Natal
  7. Agradecer 3 coisas boas do dia
  8. Lançar um desafio virtual a familiares e amigos: piada mais seca, caretas, encontrar coisas de determinada cor na rua, encontrar matrículas em capicua, etc (os melhores para isto são os meus primos!)
  9. Ouvir músicas de Natal em casa, no carro, nos transportes públicos
  10. Dar 2 ou 3 boas espreguiçadelas
  11. Escrever postais de Natal
  12. Ver um filme de Natal – dos clássicos ou alguma novidade
  13. Pequeno almoço demorado num local favorito ou que queremos muito conhecer
  14. Pensar numa coisa que quero melhorar para o próximo ano
  15. Massagem aos pezinhos quando chegamos a casa num dia especialmente cansativo
  16. Passar tempo no café a ver o movimento só porque sim
  17. Dedicar meia horita ao nosso livro do momento
  18. Arriscar uma receita nova
  19. Expôr os postais de Natal que recebemos
  20. Fazer um percurso diferente para um lugar onde vamos regularmente

 

Fazer e não fazer

não leias este livro.png

 

Volta e meia procuro aplicações de produtividade e gestão de tarefas. Sou totalmente pessoa do papel e caneta e às vezes até me pergunto porque me dou a esse trabalho, mas que hei-de eu fazer… Acho que de alguma forma essas aplicações até me ajudam a melhorar o meu sistema “analógico”.

Pois bem, a minha última descoberta veio através do livro Não leias este livro. O autor criou uma aplicação baseada no que fala no livro e que nos obriga a escolher o que vamos fazer. Chama-se To don’t list e só nos permite ter 3 coisas na lista de tarefas enquanto todas as outras vão sendo registadas na lista de coisas a não fazer. Parece complicado mas não é.

A questão é que, na maioria das vezes, a nossa lista de coisas a fazer começa a crescer de tal maneira que perdemos o foco. As três coisas mais importantes desaparecem nessa imensidão de linhas escritas e acabamos por, muitas vezes, cumprir as menos importantes.

No outro dia dei por mim a pensar em como ficaria a lista das coisas que quero fazer nas férias se a colocasse nesta app. Quais seriam as 3 coisas mais importantes e quais ficariam na to don’t list

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D