Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Planos para o resto do mês

 

via

 

Os meses começam num instante, chegam a meio num instante e acabam num instante. Tenho a sensação que às vezes passamos por eles e nem damos conta. O que não é necessariamente positivo. Este mês está já a mais de meio e as semanas que se aproximam estão cheias de atividades e compromissos. 

 

Não vou aqui deixar um registo exaustivo, nem os planos para esta semana. Ficam já os planos que tenho até ao final do mês porque o dia 30 está já aí ao virar da esquina. 

 

  • Estreia do filme "A livraria" baseado no livro como mesmo título 
  • Fim de semana para carregar baterias
  • Preparar um pic nic para a família - o picnic dos primos
  • Cuidados pessoais pré-férias
  • Ver os jogos da seleção
  • Pôr a escrita em dia
  • Fazer os possíveis para contrariar a app que diz que eu não vou destralhar 496 coisas até dia 27/06
  • Trocar finalmente a roupa e calçado de Inverno pelo de Verão

 

E por aí, muitos planos, ideias e coisas giras para fazer?

 

Missão destralhar: frascos, frasquinhos e pacotinhos de amostras

via

 

No outro dia uma das minhas amigas chegava a uma conclusão à qual eu já cheguei há muito tempo, e da qual até já falei aqui. Dizia ela, mais ou menos, que eu tinha um armazém de produtos de higiene. E é verdade. Entre cremes, sabonetes, champôs, pastas de dentes… não preciso de comprar nada!

 

Já ando nisto de não comprar nenhum destes produtos há algum tempo (disso irei falar daqui a uns dias) e vou continuar. Até porque há sempre um presente que recebemos, uma oferta num evento, uma estadia num hotel, enfim, acabamos sempre por voltar a repor o stock.

 

E hoje, numa situação que nada tinha que ver com este tipo de produtos, tive uma ideia! Ou melhor, não tem a ver com os produtos em si mas sim com a minha missão destralhar. Faltam atualmente 277 coisas para cumprir o objetivo das 496 e reparei que muitas das coisas que posso reduzir são, lá está, frascos, frasquinhos e pacotinhos de amostras de champô, máscaras e cremes. Por isso, a juntar ao facto de estar a usar essas amostrinhas na piscina, decidi tomar outra medida!

 

Com o aproximar das férias, altura em que lavo o cabelo mais vezes que o normal, vou juntar todas essas amostras, tamanhos de viagem, máscara de cabelo que não gosto tanto, e afins e colocar numa bolsa que irá comigo nas férias. Assim irei reduzir uma quantidade substancial de coisas numa velocidade muito maior do que a do costume.

 

Depois disto há outras medidas a manter e reforçar: não aceitar amostras de produtos que sei que não vou usar e continuar na saga de usar tudo até acabar! Já vejo resultados por isso é manter!

 

Ainda não tive oportunidade de ler, com a atenção devida, a revista deste mês da National Geographic, a que tem uma capa dedicada ao “mar de plástico”, mas já li que nalguns países estes pacotinhos de amostras estão ao nível da “praga” porque são a única coisa que essas pessoas podem comprar. E isso fez-me pensar ainda mais. Para nós estas amostras são gratuitas e muitas vezes acabam por ir parar ao lixo, para elas… e por respeito a essas pessoas, até mais do que pelo ambiente – admito – vou equacionar as amostras que peço e que aceito. E já sei que sozinha não mudo o mundo e que elas não vão passar a poder comprar frascos de champô só por isso mas…  

 

 

Simplificar para melhorar

via

 

Deve ser também por causa deste estado insconstante do tempo que continuo a ter a tal necessidade de fazer qualquer coisa, que não sei bem o que é, mas que passa por não querer complicar a minha vidinha. Preciso de simplificar para estar mais disponível para mim e para os outros, para não andar a correr de um lado para o outro sem ter tempo para "cheirar as rosas". Sobretudo quando detesto correr sem motivo. E por isso voltamos ao mesmo: parar, pensar e simplificar!

 

A grande questão é que nesta rodinha viva em que andamos esbarramos logo no primeiro verbo: parar. Quem é que nunca deu por si a respirar bem fundo, tão fundo que parece que o tronco até abana, e de repente se apercebe que tem andado a respirar em piloto automático? A mim acontece... e recentemente, muitas vezes. E isso não é bom. Ou pelo menos não é o que quero para mim. Quando dou por mim nessas respirações profundas penso "bem minha amiga, está na altura de parar!".

 

E quando pararmos, no que devemos pensar? Pois bem, nas coisas da nossa vida que queremos melhorar e como podemos consegui-lo. Vou deixar aqui umas pequenas dicas. Euzinha vou olhar para elas com atenção e refletir no que posso adoptar para simplificar um bocadinho mais a minha vida.

 

Definir prioridades: ver o que é importante para nós, onde queremos investir o nosso tempo e como. E não esquecer que nós somos importantes!

 

Organizar o espaço: já percebi que em determinadas alturas da vida tenho um impeto maior para fazer "purgas" de coisas. O que quero que fique na minha vida e o que não quero, organizar os espaços onde passo a minha vida. Trocar a ordem dos objetos por vezes faz uma diferença abismal, e não precisamos de gastar um tusto!

 

Simplificar o estilo: não estou a dizer para entrarmos num registo de desleixo e desmazelo, estou a dizer para escolhermos e termos os cuidados certos - usar roupa que nos faz sentir bem, tratar da nossa pele, usar maquilhagem na conta certa (o que por vezes significa nenhuma maquilhagem). Por falar nisto, no outro dia ouvia um podcast de uma espanhola em que ela dizia, e reforçava, que podíamos andar cansadas e simplificar o nosso dia a dia mas nunca podíamos sair de casa sem baton! E eu achei piada porque às vezes temos aquela ideia de que temos que andar sempre super bem maquilhadas para colocar baton quando na realidade o que precisamos é de ter os cuidados com a pele e dar esse toque de cor. Só isso já nos dá aquele "up". 

 

Melhorar a nossa saúde: consultas regulares para garantir que a máquina está oleada e que não temos surpresas é fundamental, mas nada funciona se não fizemos a nossa parte: beber água, ter uma alimentação cuidada e procurar corrigir alguns erros alimentares (sem entrar em exageros), praticar exercício físico e mexer o esqueleto! Nem que isso apenas signifique usar as escadas em vez das escadas rolantes, parar mais longe do destino para ter de andar mais uns metros, ou até reservar um bocadinho da hora do almoço para dar uma volta.

 

Fazer as pazes com o dinheiro: é muitas vezes este o vilão que nos causa mais insónias ou necessidade de respirar fundo. Onde o temos gasto ou investido? Podemos mudar alguma coisa na nossa relação com ele? Se nesta área estiver tudo bem, há alguma coisa que podemos melhorar?

 

Definir rotinas e sistemas: a rotina tem má fama mas é, a meu ver, fundamental. Sistemas, rotinas ou ritmos são tudo formas de simplificar e facilitar a nossa vida. Planear refeições, ter dias específicos para determinadas tarefas ou compromissos, saber, por exemplo, que a piscina é à 4f e por isso nesse dia não podemos marcar mais nada para não deixarmos o exercício para trás. São exemplos. Cada um encontrará os seus. 

 

Estar presente: aquilo de que tanto se fala. Mais vale estar em menos eventos e quando estamos estamos a 100% do que estar em mais uma coisa só porque sim e depois apanhar a chamada "seca". Saber dizer que não também é uma virtude. Já para não falar de quando estamos num sítio só porque sim e depois passamos o tempo a ver o que se passa no telemóvel. Se nos pusermos do lado das pessoas com quem estamos... percebemos como isso não é simpático. Se é para estar é para estar!

 

Investir no cuidado pessoal: ser o nosso melhor amigo! Destressar sempre que possível, desvalorizar coisinhas sem importância (e pessoas sem importância), ser mais simpático consigo mesmo, apreciar prazeres simples. Não estou a dizer para sermos como o Narciso mas um bocadinho de amor próprio não faz mal nenhum a ninguém. Por isso, olhar para o espelho ou para uma foto e dizer "olha que bem que estás!" em vez de ver todas as marcas do tempo, entre outras coisas.