Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

O mês das cartas!

IMG_4531.JPG

 

Para mim o mês das cartas e dos postais é Outubro. Também já participei num destes desafios mas em Abril. Contudo, quando recebi o e-mail do Postcrossing com o desafio para Fevereiro… decidi participar! Até porque é mais uma oportunidade de pôr a escrita em dia.

 

Em que consiste o desafio? Durante o mês de Fevereiro escrever uma carta ou postal por dia e enviar a alguém. Eu já comecei a fazer a lista de pessoas a quem vou enviar a minha correspondência. Alguns postais de Natal ficaram por enviar, também tenho um projeto meio em curso com uma amiga (enviarmos uma carta por mês à outra) e um primo com quem combinei começar a corresponder-me para ele aperfeiçoar o português, algumas pessoas que quero surpreender, uns correspondentes do Postcrossing à espera de novidades na caixa do correio e pelo meio também uns agradecimentos. É importante referir que faz parte do desafio responder às cartas que recebermos!

 

Já comecei a juntar os materiais necessários para cumprir esta missão! Selos, envelopes, postais, papel de carta, canetas (porque nem todas são boas para escrever em todos os papéis). Também podemos enviar recortes de jornais e/ou revistas, pensamentos do dia, flores que secámos num livro, na loucura, até podemos enviar um livro, um cd, um presente, ou até um pacote de açúcar com uma mensagem engraçada. É só pôr a imaginação a trabalhar!

 

E por falar em agradecimentos… recorda o Postcrossing que dia 4 de Fevereiro é o dia dos carteiros – por isso, cartão de agradecimento ao Carteiro na próxima segunda-feira! Não custa nada e vai de certeza melhorar o dia dele! Ou dela!

 

Fevereiro parece ser o mês dos desafios. Quem aceita este?

 

 

Resumo da matéria dada - o que quero manter em 2019

via

 

Falei há dias de um exercício de resumo do ano que passou para ver as “lições aprendidas” e o que queremos trazer para este novo ano. Fiz o exercício e agora deixo aqui as minhas notas.

 

Vou, por opção, falar apenas das coisas boas que aconteceram e que quero manter ou desenvolver ainda mais. As coisas menos boas foram importantes também, para… testar os limites… digamos. São coisas que não estão esquecidas e que sobretudo me deram como lição focar-me mais nas outras, que em vez de me tirarem energias, me alimentam! E é isso que eu quero para 2019 (e para todos os anos)!

 

E então aqui vai o resumo do meu 2018, e um la-mi-ré do que vou fazer por que aconteça em 2019:

 

  • Almocei, lanchei e jantei várias vezes com vários amigos! (boas conversas, bons momentos e boas risadas! E alguns assuntos sérios também)
  • Visitei com o meu pai uma cidade onde vou com bastante regularidade mas desta vez vimo-la com “outros olhos” e vivemo-la de outra forma
  • Viajei com umas minhas primas e passei dias bem divertidos em Barcelona
  • Com umas amigas recuperei baterias com os ares bons d'O Meu Monte no Alentejo
  • Fui à melhor festa do Ano – para mim claro! , assisti a bons concertos, dei o pontapé de saída para o piquenique da família, fui ao cinema e a um jantar de ex-alunos
  • Celebrei o meu aniversário! Duas vezes! Só porque sim!
  • Da lista das 40 coisas já risquei uma série de pontos! (novidades em breve)
  • Visitei o Aqueduto das Águas Livres
  • Fiz o exame de Espanhol
  • Vi o Blog destacado pelo Sapo e atingi o meu objetivo para 2018
  • Fiz um workshop de colagens com a Margarida Girão só porque sim
  • Participei em torneios de natação
  • Voltei a dar sangue
  • Cumpri uma mega missão destralhar!
  • Voltei a passar uma semana de férias com os primos – uma tradição a manter
  • Fiz Broas com a receita de família e a supervisão da minha Tia
  • Organizei o Primo Secreto no Natal
  • Passei o ano numa festa pequena mas muito, muito divertida! Tal como tinha desejado.
  • Comprei batons vermelhos (o vício começou em 2014)
  • Passei uma semana sem comer carne nem peixe
  • Li, mas não tanto quanto queria
  • Levei o meu pai, pela primeira vez, a um jogo da Seleção Nacional

 

Este é o meu resumo de 2018. É isto que eu quero para 2019, mesmo que sob outras formas, outros desafios e outras descobertas. Quero viajar, divertir-me, aprender, sair da minha zona de conforto, relacionar-me, continuar a usar baton vermelho, fazer algo pelos outros, mas também fazer coisas por mim. Ainda não foi desta que fiz a playlist da TSF mas… lá chegaremos!

 

 

Felizes os que pensam de pernas para o ar

via

 

Falei aqui, antes do Natal, de como somos "inundados" por mensagens nos telemóveis com desejos de Boas Festas. Sugeri que em vez da tradicional mensagem enviassemos postais de Natal. Fui surpreendida com alguns que recebi e fiquei muito feliz por ver que consegui converter umas quantas pessoas a esta tradição. Contudo, tenho que ressalvar uma coisa... quando as mensagens que enviamos são pensadas e vão contra a corrente... ficam! Ou então, quando são pensadas de pernas para o ar... o poema que deixo aqui hoje foi uma dessas mensagens que recebi durante o período das Festas, algures entre o Natal e o Ano Novo. E ficou guardada. É também uma daquelas a imprimir :)

 

Pensar de pernas para o ar
é uma grande maneira de pensar
com toda gente a pensar como toda a gente
ninguém pensava nada diferente

Que bom é pensar em outras coisas
e olhar para as coisas noutra posição
as coisa sérias que cómicas que são
com o céu para baixo e para cima o chão

 

Manuel António Pina

O País das Pessoas de Pernas para o Ar

1973