Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Uma carta de cada vez

via

É conhecido o meu gosto pelas cartas e postais. Gosto de as escrever e adoro o momento em que abro a caixa do correio e um pedaço de papel me surpreende. Para mim é magia! Um destes dias recebi numa newsletter uma sugestão de um novo podcast. A Arianna Huffington sugeria uma meditação através de histórias. Alguém conta uma história, ou melhor, uma parte da sua história e ao longo da mesma somos levados a meditar sobre alguns temas da nossa própria vida.

Claro que quando há no meio de uma série de episódios um que se chama “One envelope at a time”, qual é que acham que eu ouvi?!

A história partilhada está carregada de momentos dolorosos. Mas por outro lado, fala do poder que uma carta pode ter. Do poder que escrever uma carta à mão pode ter. Para quem a recebe e para quem a escreve. Do poder que uma carta tem na criação e fortalecimento de laços.

All these technological rhythms are embedded in my day and yet what do they prove? They're not tangible. I can’t hold the texts I send close to my chest and trace them for a scent. The digital footprint, as mammoth as it may be, isn’t proof that you and I were here. That we lived. That we loved. That we danced in the kitchen to no music at all, or that we held someone’s hand or made them a cup of herbal tea when their world came crashing down around them. - diz Hannah Brencher na sua história.

Na Flow deste mês falam de uma escritora de viagens que tem por hábito escrever-se cartas ou emails enquanto anda a viajar. Tenho um hábito semelhante, envio-me sempre um postal. E também com esse, que eu sei que vai chegar, consigo sentir a magia no momento de abrir a caixa do correio. Não sei porque a Kassondra Cloos o faz, na verdade… também não sei muito bem explicar o porquê de eu o fazer… mas recomendo!

Ontem, enquanto aproveitava uns momentos entre o rebuliço da cidade sentada na mesa de um café, reparei num senhor que se sentou ao meu lado com um chá, um caderno, o mais normal possível, e uma caneta. Eu também tinha um caderno pequeno e uma caneta, o mais normal possível. Escreveu a data no topo da folha, por extenso, e continuou a escrever. Certamente que escrevia uma carta a si mesmo. Que será um diário mais do que um conjunto de cartas que nunca nos enviamos pelo correio? Olhei para ele e pensei “este senhor serei eu nos próximos dias”.

 

P.S.: Amanhã mostro-vos aqui a história de uma outra carta, numa história contada por uma outra pessoa. Uma história gira que me contaram e que quero partilhar!

 

Sei o que fizeste o mês passado – Setembro e Outubro

Voltei… muito tempo depois do último post que aqui publiquei, muito longe da frequência com que o gostaria de fazer, e contudo parece que foi ontem. Ontem, precisamente, ouvi uma pessoa dizer que para pessoas com mais idade o tempo passa mesmo num esfregar de olhos. E é isso que eu sinto. Tantas coisas a acontecer ao mesmo tempo e pimbas… o tempo passa! Mas também ouvi um podcast em que sugeriam que não esperássemos pelo dia perfeito, a hora perfeita, o momento perfeito para fazer aquilo que temos/queremos fazer. Porque a perfeição não existe e enquanto andamos à espera dela, as coisas não acontecem.

Por isso, vamos lá recomeçar, sem promessas de regularidade para não falhar! Até porque no final deste post vão perceber que vou “desaparecer” outra vez!

Então que andei eu a fazer durante estes dois meses? Ui… tantas coisas… e ao mesmo tempo, tão poucas…

Durante este tempo descobri uma cantora nova: Agnes Obel. Deixo-vos uma das suas músicas, September Song, para vos acompanhar na leitura. 

 

Setembro

  • Tentei ver a Ivete Sangalo no aniversário do Rock in Rio. Não consegui, mas em compensação descobri uns hambúrgueres bem bons! O restaurante chama-se Sampa e fica na Avenida Torre de Belém, no Restelo.
  • Numa noite de Verão, enquanto os James tocavam junto ao rio, dei um pezinho de dança no Jardim da Estrela ao som dos Real Combo Lisbonense!
  • Fui ver o filme do Downtown Abbey ao cinema. Foi como ver um episódio gigante ou uma temporada de seguida. Uma maratona de Downtown Abbey. Gostei!
  • Passei um fim de semana com amigos em Arouca e fui fazer os Passadiços do Paiva. Recomendo. Iniciei o percurso pela subida dos não sei quantos degraus, muito piores que a escadaria do Bom Jesus de Braga, mas depois disso (que não é assim tão mau...), valeu muito a pena! Recomendo mesmo!
  • Também recomeçou a piscina!

 

Outubro

  • Em Outubro diverti-me!
  • Tive uma viagem que me levou a um destino já bem conhecido, mas desta vez visto com outros olhos.
  • Participei num workshop sobre Minimalismo organizado pela The Minimal Mag, e no mesmo dia pude disfrutar do Jardim do Campo Grande, quando ainda só alguns corajosos por lá passeavam ou corriam, e conhecer um bocadinho do Palácio Pimenta. Que bonito! Ah! Também foi muito giro reencontrar uma pessoa que não via há anos e estava no mesmo workshop, pelo mesmo motivo que eu! Filipa, foi mesmo giro reencontrar-te!
  • Ainda no dia do workshop tive uma surpresa daquelas mesmo, mesmo boas! Uma Amiga que vive no Porto surgiu de surpresa e fomos almoçar! Também foi tão bom!
  • Uma das minhas primas veio passar um fim de semana comigo e corremos esta Lisboa e a outra! Andámos pelas ruas e a descobrir recantos no meio da cidade, almoçámos e jantámos em sítios giros e ainda pudemos ver as coisas giras que se vendem na Feira do Jardim do Príncipe Real e do Lx Factory.
  • E já no final do mês… riscar uma coisa da lista: ver um jogo do Benfica!

 

Novembro já está quase a meio e por isso já posso partilhar algumas das coisas que tenho andado a fazer:

  • Logo no início do mês tivemos um encontro de primos para fazer Broas dos Santos. Qualquer motivo seria bom para nos encontrarmos. E este foi um dia muito bom! Obrigada LC!
  • Na semana passada decidi, a meio do dia, ir ao cinema. O filme escolhido foi o último do Woody Allen.
  • Organizar a viagem aos EUA! Vai ser a segunda aventura deste ano! Parto dentro de dias e por isso… o blog pode ficar silencioso novamente…

 

Há uns tempos vi um exercício semelhante a este, a autora faz uma revisão no final de ano e resume o Ano aos seus factos. Há realmente coisas nos nossos dias, nos nossos meses, nos nossos anos que damos por "garantidas" ou "normais" e por isso desvalorizamos. E no final das contas, na maioria das vezes temos vidas mais preenchidas, no sentido de mais ricas, do que aquilo que pensamos. 

 

Travessia de São Martinho do Porto - Check!

Tu consegues e a água está boa! Foca-te! Tu consegues! Foca-te! Vamos a isto!

Algas. Ondas. Pessoas. Nada crawl. Nada crawl. Não! E melhor ires de bruços. Onde está a bóia? Raios… está longe. Nunca mais lá chego. Não! Não penses nisso! Está já ali! Está já ali! Porque raio é que eu comi uma omolete?! Mais ondas. Ups! Desculpa aí… não fui contra ti de propósito. Foca-te! Bóia amarela! Isto não está fácil… isto é horrível… Pessoas. Mais pés. Estou a ficar mal disposta ou é dos nervos? Não… estou mesmo a ficar mal disposta. Nada costas pode ser que melhore. Se calhar é melhor levantar o braço e desistir. Mas também… caramba… desistir só porque estou a levar com as ondas… e a ficar mal disposta... Foca-te! Boia amarela! Porque é que eu me meti nisto?! É que ninguém me obrigou… Foca-te! Ainda no outro dia escreveste no blog que “quem manda aqui sou eu!” e agora estás a deixar-te levar só porque estás a nadar contra a corrente? Não! Quem manda aqui és tu! Continua e não oiças essas vozinhas irritantes que te querem fazer desistir. Reza uma Avé Maria, duas, três, as que forem precisas! Muda para o Pai Nosso! E foca-te na boia amarela para não saíres da rota! E os teus avós?! De certeza que estão orgulhosos por isso não vais desistir! O Avô Henrique de certeza que te diria que ele nunca era capaz ou então… também era homem para dizer que já tinha feito isso muitas vezes e que o fazia com uma perna às costas!

Primeira boia amarela! Toma! Já te passei!

Caramba… não era suposto isto agora ser melhor? E onde é que está a segunda boia amarela?! Cãibra no pé esquerdo. Já não me estava a faltar mais nada… pronto, ok, está bem, passou para o pé direito! Pelo menos sempre vai alternando. Mais ondas… quem é que disse que em São Martinho não há ondas? Como disse a M. “isto não está a ser divertido…”. Vá, continua. Onde é que está a outra boia que eu não a vejo!? Ah! Está ali! Também ajudava se os óculos não estivessem todos embaciados. Mas pronto… nada bruços e pelo menos vês os prédios… sempre te orientam. Ai, água quentinha! Que bom!!! Água quentinha! Água quentinha! Eu não digo?! Tenho um Amigo que nunca me deixa ficar mal! Olha um caiaque… se calhar estou a sair da rota. “Onde é que está a boia? AH já vi! Na linha daquele prédio? Ok! Obrigada!”. Continua! Agora vamos fazer 40 braçadas em crawl e depois outras 40 em bruços… a pulseira está a soltar-se! Espera! Vou prender-te no fato de banho! Pronto! Continua em direção à boia amarela! Isto nunca mais acaba e eu já vejo poucos braços no ar… se calhar já sou a última! Paciência! O que importa é chegar ao fim e não desistir! Heróis do Mar, Nobre Povo, Nação Valente e imortal (...)! Será que a pulseira do chip está a soltar-se!? Isso é que não! Caramba! Tenho coisas mais interessantes para fazer com 80 euros do que pagar uma pulseira que me saiu do pé em mar alto! Aperta a pulseira! Mais vale perder tempo do que perder 80 euros! E continua!

Segunda boia amarela!!!!! Bora lá que agora é para chegar ao fim!!!! Siga!!!!

Onde é que andará a H.? E o R.? Nunca mais os vi… os primeiros já devem ter chegado… Já devem estar a começar as provas dos mais pequenos. Mas agora também já só me falta este bocadinho. Será que já passa da meia hora? Deve passar… com tanta pancada ali no início, de certeza que perdi montes de tempo. Pelo menos desta vez consegui ir sempre orientada e não sair da rota! Já foi bom!

Olha! Boias pequenas como as da piscina!!!! Crawl! Nada crawl e sem medos! Estás quase!!! Estás quase!!! Será que já tenho pé!? E quando é que é suposto uma pessoa levantar-se e começar a correr para passar a meta!? Tenta! Levanta-te e vê se já consegues! Boa! Dor no gémeo… dor no gémeo… pronto… nadei 1500m e agora saio coxa… Tenho a pulseira do chip? Tenho!

Areia e chão firme! Conseguiste!!! Conseguiste!!!

 

Depois disto, recebi a minha medalha de participação (ou superação), entreguei o chip e quando olho em frente tinha o meu nome em cartazes, muitos balões vermelhos e cor de rosa e muitas pessoas a aplaudir. Eu conhecia 3 mas só essas três conseguiram mobilizar uma data de gente. Um senhor até já me tratava pelo nome, ele que pensava que aquela claque era para uma miúda pequena… e afinal era para mim, uma miúda com 41 anos! Foi muito divertido! Aí sim! À chegada foi muito divertido! E quando ia para junto da minha família, que sempre acreditou que eu conseguia, mesmo com os seus receios, também tive umas senhoras mais velhas que me deram os parabéns por ter participado.

 

Foi mega desafio. Muito mais do que eu estava à espera. O início não foi bom. Não foi divertido e nem sequer agradável. Para dizer a verdade, o início foi horrível! Comprovei o que já pensava: é a nossa cabeça que manda. Podemos estar fisicamente muito bem mas se nos deixarmos levar pela cabeça e ela decidir ser do contra… estamos tramados! Sempre acreditei que em termos físicos não ia ter problemas e ia aguentar, mas o psicológico é mesmo poderoso. E se tivesse levado o fato não sei se teria acabado, acho que a cabeça era capaz de ganhar e eu teria levantado o braço e desistido. Ou não. Nunca saberei!

Quando ia a nadar pensei que nunca mais me metia numa coisa destas. Uns minutos depois de ter saído, e sabendo o que sei agora, já pensava de forma ligeiramente diferente. Hoje, acho que era capaz de o fazer novamente. Aquele início já não me ia surpreender.

 

Quando acordei estive a pensar em como partilhar a experiência convosco. Ontem, durante o percurso, comecei a “escrever” este post para me distrair. Não está nada como eu o pensei. Logo de manhã veio-me esta música à cabeça. Acho que é a banda sonora mais adequada para vos mostrar como me senti ontem durante os 39 minutos que dediquei a fazer a Travessia de São Martinho. Oiçam e tentem imaginar.