Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Sei o que fizeste o mês passado - Fevereiro e Março

via

 

O mês de Março foi qual montanha russa! Umas coisas atrás das outras. E, como diz o ditado… algumas ficaram para trás… O facto do Carnaval ser em Março e a Páscoa no final de Abril não ajudaram em nada, parece que o tempo andou descompassado. O resumo do mês de Fevereiro foi uma das coisas que ficaram para trás… mas vamos recuperar isso hoje! Hoje o resumo é dos dois meses: Fevereiro e Março.

 

Fevereiro

  • Finalmente fui ao Bingo e risquei uma coisa da lista!
  • O concerto Snow Patrol também foi muito bom e um óptimo presente de Natal!
  • Fevereiro foi o Mês das Cartas (e dos postais) o que deixou muitas caixas do correio felizes
  • E também foi o mês do grande desafio #28diasadestralhar (destralhei 213 em 406 coisas mas foi muito bom! Entretanto já destralhei mais 20 e o processo continua)
  • Andei a preparar lista das 41 coisas que este ano foi ligeiramente mais difícil de completar…
  • Leituras: recebi de presente um livro da Clarisse Lispector que comecei a ler e cuja leitura está em curso
  • Encontros com amigos e recuperar a tradição do jantar mensal com a Grupeta
  • Consegui chegar aos 1700m a nadar e depois aos 1800!
  • Coisas boas – o registo das coisas boas mantem-se e sinto que o hábito está mais enraizado! Registei 18/28 dias de coisas boas. Uma delas está aqui e outra foi uma encomenda que veio dos Açores e me deixou muito feliz!

 

Março

  • O mais importante de tudo é o meu aniversário! E tudo o que a ele e a esse dia está associado :)
  • Carreguei um bocadinho a bateria num fim de semana com amigas em Peniche
  • Fiz algo que gostava de fazer mas pensava impossível - passar a Ponte 25 de Abril a correr e verifiquei que nadar me tem ajudado imenso em termos de condição física. Fiz a Mini Maratona (7kms) e quase todos a correr!
  • Voltei a dar sangue (próxima dádiva em Agosto)
  • Houve o Lanche das Primas
  • Fui visitar a PhotoArk – exposição sobre animais em vias de extinsão
  • Finalmente comprei o livro do Nelson Mandela “Cartas da Prisão”. Até agora, muito interessante. A dar que pensar, mas interessante.
  • Deixei um livro meu num banco de jardim e fiquei a ver quem o levou – foi muito giro!
  • A minha caixa do correio foi MUITO feliz este mês com postais de aniversário e uma carta. Deixaram-me o coração quentinho!
  • Na natação… voltámos a superar a barreira! Num dos treinos nadámos 2100m e a distância por treino tem aumentado
  • Coisas boas: este mês registei mais! Lá está, o hábito está enraizado: 29/31 dias de coisas boas
  • Entra em vigor a lista das 41 coisas e para um dos pontos se realizar… o maior passo já foi dado!

 

Planos para o mês de Abril

  • Ler, Ler, Ler
  • Ir ao Teatro
  • Pôr a escrita em dia
  • Participar na Scalabis Night Race – mantenho… correr não é o meu desporto… mas…
  • Dias de férias para fazer nada e fazer qualquer coisinha!
  • Usufruir de um presente de aniversário que recebi sob a forma de enigma
  • Olhar para a lista das 41 coisas e ver quando poderei fazer o quê
  • Partilhar aqui um bocadinho de algumas das experiências que vivi em Fevereiro e Março
  • Ah! Tratar do IRS

 

28 dias a destralhar - 2ª semana

IMG_4829.JPG

 

Na 2ª semana deste desafio #28diasadestralhar voltei a olhar para as revistas com outros olhos. Deixei de comprar revistas como comprava. Mas ainda mantinha umas edições de algumas. Revistas de moda que comprei no Verão e de culinária que fui comprando e que mantinha em casa porque “os olhos também comem”. Mas hoje não quero falar da tralha em si. Hoje quero contar uma coisa que aconteceu com alguma dessa “tralha”.

 

No meu prédio, no mesmo patamar, as minhas vizinhas tinham um hábito que eu sempre achei muito engraçado. Para além de se encontrarem no fim de semana para pôr a conversa em dia, volta e meia, deixavam o jornal ou uma revista na porta uma da outra. Quando uma acabava de ler, dava à vizinha. Dava, porque uma delas faleceu no final do ano passado.

 

Desde essa altura que, sempre que passo pelo patamar delas, me lembro que agora já não há essa partilha tão engraçada das fofocas da semana, nem os encontros de patamar para falar sobre os seus assuntos.

 

Quando juntei as revistas na semana passada, lembrei-me que podiam fazer uma certa companhia à vizinha e deixei-as num saco à porta dela. Deixei também um bilhete a identificar-me, não fosse ela achar aquilo muito estranho.

 

A minha semana passada foi bastante preenchida e cansativa mas, num desses dias, cheguei a casa e abri a caixa do correio como faço todos os dias na esperança de receber uma carta ou postal. Naquele dia tinha lá um pedaço de papel que tem, para mim, um valor incalculável. Era um agradecimento da vizinha pelas revistas!

 

Se não tivesse destralhado mais nada, só por isto já teria valido muito a pena!

 

28 dias a destralhar – primeira semana

 

IMG_E4829[1].JPG

 

Quando a Cláudia me desafiou para participar neste desafio estava longe de imaginar como seria. Não o desafio em si, que já conhecia muito bem, mas tudo o que surgiu à sua volta.

 

Falemos primeiro das coisas práticas. Vamos no dia 11 e até agora tenho cumprido todos os dias. Quando a nossa missão destralhar dura há muito tempo aumenta a nossa necessidade de ser criativo. É verdade que há sempre mais esta ou aquela coisa que passaram numa ou noutra situação e que podem sair mas… quando juntamente com as missões destralhar vamos também mudando os nossos hábitos… até essas começam a escassear.

 

Agora, o que eu mais tenho gostado deste desafio é ver como o mesmo tem entusiasmado outras pessoas a participar. No início foram as suspeitas do costume a aceitar procurar mais umas tralhas lá pela casa, mas depois até as mais reticentes me disseram que estavam a tratar do assunto. E temos ainda as que mais me surpreenderam! Essas sim fizeram os meus dias! Ver pessoas dizer que estavam a destralhar influenciadas por mim, foi muito bom! E saber que outras pessoas com que já tinha falado do assunto também decidiram dar esse passo, foi igualmente motivador.

 

Também falava com uma das minhas amigas, que já anda nesta saga desde o ano passado, sobre o que é “tralha”. Dizia ela que tinha tirado umas molduras de uma parede mas que tinha lá colocado outras peças decorativas. À partida teria tirado “tralha” mas estava a colocar lá mais. Não concordei com ela. Tralha é tudo aquilo que temos mas que não tem utilidade ou significado. Não serve para nada e já nem sequer nos deixa feliz, usando a dica da Marie Kondo. Neste momento as molduras que ela retirou eram tralha mas o que colocou em seu lugar são coisas que a motivam e deixam feliz. Um dia, daqui a uns anos, podem ser destralhadas novamente, mas neste momento têm um papel a desempenhar.

 

Para mim, as próximas semanas serão mais complicadas. O grau de criatividade vai ter de aumentar, ou então vou ter de olhar novamente, com outros olhos, para as coisas que tenho em casa. As revistas têm sido uma boa fonte de tralha, os cds gravados também foram (2 dias totalmente riscados graças a eles), amanhã penso que será a bolsa da maquilhagem, vernizes e afins a dar o seu contributo e a última semana será a altura de dar um twist ao desafio. Veremos!

E por aí, quem aceitou o desafio? Como está a correr?