Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Sei o que fizeste o mês passado – Maio

via

 

Caracas! Apercebi-me agora que já vamos no dia 7… mais alguém sente que este ano está a passar mais rápido que a sua própria sombra? Enfim…

Para fazer este registo vou sempre ver o que tinha definido como coisas a fazer para o mês em causa. Da lista do mês de Maio cumpri 3 em 6 pontos. Trocar as roupas de Inverno pelas de Verão também comecei… mas tive de parar… por motivos óbvios. Muitas vezes a vida decide seguir o seu caminho e ignorar os nossos planos. Isto tem o seu lado positivo… e menos positivo também…

 

Maio

  • Fui ao Turbo Baile – diverti-me mas não tanto como no Revenge
  • Num dos primeiros dias de Primavera em bom tive um piquenique espontâneo, uma tarde muito bem passada e que me deixou uma sensação de leveza muito agradável
  • Li o livro da Eleanor Oliphant – quando aqui falei dele estava nos dias bons, lembram-se? Os dias maus foram mesmo maus, mas… gostei muito do livro! E não conto mais porque não quero estragar as vossas leituras.
  • Passei uma noite a rir numa stand up comedy. Como eu gostava de ter a capacidade de decorar piadas… passei a noite toda a rir e só me consigo lembrar de um tema… francesinhas!
  • A Gulbenkian teve umas atividades de fim de semana que incluíam concertos ao ar livre e muita gente a aproveitar os jardins. Foi muito bom!
  • Houve ainda uma festa de aniversário com direito a bailarico e tudo.
  • Um dos meus desafios para este mês era passar a barreira dos 2000m na natação. Será que consegui?! Conto-vos para a semana!

 

Junho começou com algumas condicionantes… sobretudo físicas, e que podem pôr em causa os meus desejos para este mês. Em todo o caso… mantenho tudo na lista!

  • Ir jantar numa festa de Santo António
  • Concerto do Eddie Vedder
  • Visitar a Feira do Livro
  • Corridas das Fogueiras em Peniche
  • Organizar a estante dos meus livros
  • Participar no desafio minimalista de Junho da Cláudia Ganhão

 

Problema Literário - falta de espaço

via

 

Há muitas teorias sobre como "A" estante perfeita, se é que há estantes perfeitas! Refiro-me a estantes de livros! Como os organizar, se por cores das lombadas, por tamanhos, por temas, por ordem alfabética, por autor ou título… enfim, um mundo de possibilidades!

Os meus livros estão organizados maioritariamente por temas e por autores. O que me obriga a fazer alguma ginástica… temos viagens, autores portugueses, autores estrangeiros, livros noutras línguas, técnicos, livros de culinária… (estes… ocupam a maior área).

Como ando a precisar de arranjar mais espaço para os livros estou atenta a sugestões de arquivo bibliográfico, embora ainda não tenha tomado uma decisão sobre como reorganizar os ditos.

Li há dias uma pessoa que dizia ter os seguintes critérios de organização da estante: livros lidos a manter, lidos para dar, livros novos para ler um dia, novos que nunca vai ler e, por isso, vai dar. Este crivo ajudava-a a fazer escolhas e angariar alguns centímetros para as novas aquisições. E eu estou a pensar usar os mesmos critérios.

Por outro lado, numa viagem pela blogosfera, cruzei-me com uma lista do Italo Calvino sobre as secções de uma livraria, algumas que também se podem adaptar à organização das nossas bibliotecas caseiras. Embora, e ao mesmo tempo, as possam complicar!

 

Sections in the bookstore —
– Books You Haven’t Read
– Books You Needn’t Read
– Books Made for Purposes Other Than Reading
– Books Read Even Before You Open Them Since They Belong to the Category of Books Read Before Being Written
– Books That If You Had More Than One Life You Would Certainly Also Read But Unfortunately Your Days Are Numbered
– Books You Mean to Read But There Are Others You Must Read First
– Books Too Expensive Now and You’ll Wait ‘Til They’re Remaindered
– Books ditto When They Come Out in Paperback
– Books You Can Borrow from Somebody
– Books That Everybody’s Read So It’s As If You Had Read Them, Too
– Books You’ve Been Planning to Read for Ages
– Books You’ve Been Hunting for Years Without Success
– Books Dealing with Something You’re Working on at the Moment
– Books You Want to Own So They’ll Be Handy Just in Case
– Books You Could Put Aside Maybe to Read This Summer
– Books You Need to Go with Other Books on Your Shelves
– Books That Fill You with Sudden, Inexplicable Curiosity, Not Easily Justified
– Books Read Long Ago Which It’s Now Time to Re-read
– Books You’ve Always Pretended to Have Read and Now It’s Time to Sit Down and Really Read Them

 

"Todas as noites podemos voltar a ter dois anos"

Sabem quando ouvem uma música e vos sabe a Verão? Ou quando sentem aquela brisa suave e morna nas primeiras noites quentes de Maio? Ou ainda aquele momento em que comem o primeiro gelado do ano, aquele que vai marcar a época? Tudo isso me remete para as férias de Verão. Para as alegrias que essa Estação nos traz. Para as memórias que cria.

 

No caminho para o trabalho, num metro a abarrotar, ouvi o podcast d’O Livro do Dia, com o Carlos Vaz Marques. E por momentos o mundo parecia ter parado. Boa esta sensação de irmos isolados no meio da multidão. Como se o mundo deixasse de existir.

 

O podcast começa logo com duas frases bonitas: “Não temos mais começos” do George Steiner – que pode fazer pensar, e “Tenho a cabeça cheia de Fábulas” da autora do livro do qual nos vai falar, Lídia Jorge.

 

Escolheu o texto que se segue para ilustrar o livro do dia. Pesquisei-o para ser aqui fiel à sua reprodução na forma. Como não encontrei, tomei a liberdade de o deixar como prosa e não poesia, abusando da “designação genérica de “outras narrativas””. Independentemente da estrutura que tenha é sem dúvida pura poesia.

 

E por isso sugiro que o oiçam declamado pelo Carlos Vaz Marques antes até de o ler. Depois digam-se se não sentiram a brisa do mar, o cheiro a praia e um ou outro grão de areia no corpo. Digam lá se, mais logo ao final do dia, não vão deitar a cabeça na almofada e pensar que, apesar de tudo, “todas as noites podemos voltar a ter dois anos”?

 

O Livro do dia TSF é “O Livro das Tréguas” – Lídia Jorge, Edições Dom Quixote.

Quando os barcos caíam do céu e os remos separavam a verdura da terra avançávamos na água recolhendo redes. Os peixes saltavam das ondas e quando exibiam as escamas formavam-se nuvens de todas as cores. Vinham os vendavais e faziam a cama as gaivotas. Desses ovos nasciam pássaros desajeitados que afagávamos entre as nossas mãos. Jamais de algum deles saiu uma serpente que ameaçasse morder as crias das outras espécies. Veneno não havia. O grande perigo passava voando por cima das nossas cabeças e nós não o pressentíamos. Nunca, no nosso paraíso, encontrámos Adão ou Eva. Pelo contrário, o mar invadiu a terra, formaram-se seis continentes, todos os rios do Globo e não demos por nada. Em nossa ignorância estávamos sentados na areia, ansiosos por conhecer o que seria uma tempestade. E assim decorreu a infância. Todas as noites podemos voltar a ter dois anos.

A Infância do Mundo - Lídia Jorge