Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

33. Deixar um livro por aí

“Pegou no livro, sorriu, mostrou à amiga, sorriu mais um bocadinho, abraçou-o e levou-o ao colo.” Este foi o final da história! Vamos começar pelo princípio e sem o “Era uma vez”.

 

Convenci uns dos meus colegas a participar nesta missão: deixar um livro num lugar público e esperar que alguém o leve! Na hora do almoço lá fomos os três, com cara de quem vai tramar alguma, direitinhos ao local mais movimentado da zona.

 

A sensação de ir deixar um segredo à vista de toda a gente, na hora de almoço de um dos locais mais agitados da cidade, é muito engraçada. Parece que estamos a fazer algo ilícito. Quando na verdade… era apenas um livro.

 

Este era o plano:

  1. Sentarmo-nos na esplanada mais próxima;
  2. Analisarmos o melhor banco onde deixar o livro;
  3. Sorrateiramente deixá-lo lá como se nada fosse;
  4. Ficar na esplanada à espera até alguém pegar nele.

 

Decidimos deixar o livro num dos bancos perto da paragem do autocarro. Como há sempre gente à espera do autocarro… pareceu-nos ter potencial. Lá fui eu, sentei-me no banco, deixei-o, levantei-me e voltei para a esplanada, como se não fosse nada comigo. NADA! Nem uma alminha olhou para o dito…

 

Como em todos os projetos, quando a coisa não está a funcionar, avalia-se e definem-se novas estratégias! Assim foi. Mudámos de banco. Desta vez num local de passagem, entre um quiosque de revistas, o metro e um quiosque de cafés.

 

Passa a primeira pessoa. Sustemos a respiração. Olha para o livro e… segue o seu caminho. Voltamos a respirar. Aproximam-se duas raparigas, abrandam o passo, uma delas olha de lado para o banco, nós sustemos a respiração e elas param! Uma delas pega no livro, a outra mantém-se desconfiada. Leva? Não leva? Começamos quase a fazer apostas. Mexe no livro, folheia-o, sorri, abraça-o e segue com um sorriso de orelha a orelha! Ela e nós!

 

Ia mesmo com um ar feliz quando passou pela esplanada. Mal ela sabia que estávamos a observá-la desde que se aproximou do banco e o fizemos até que deixou de estar no nosso campo de visão. Foi uma experiência mesmo engraçada! E ela ia mesmo feliz!

 

O que falta aqui contar é que na capa do livro estava um autocolante do booksharing.pt e uma fita vermelha. Afinal de contas era um presente!

 

booksharing.jpg

 

 

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2