Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

90 PRIMAVERAS

 

 
awelltraveledwoman:Just mailed off a bunch of packages this morning.. if shipping wasn’t so damn expensive I think I’d do it a whole lot more.
via

 

O meu avô vai fazer anos na próxima semana. Faz 90 anos!

 

O ano passado por esta altura andava deprimido por causa das notícias. Este ano diz que se calhar não chega aos 90 (e já só faltam 8 dias)!

O ano passado foi surpreendido por 35 pessoas que fizeram com o que os seus dias fossem mais animados. Durante quase um mês recebeu postais e cartas de vários locais em Portugal e de lugares em paises onde ele nunca foi, e de alguns que nunca tinha ouvido falar. Esta viagem foi feita também pelos seus 3 ou 4 amigos mais próximos, que todos os dias iam curiosos a casa dele para ver quem tinha escrito e de onde vinham os postais daquele dia.

O ano passado, o meu avô fez 89 anos e recebeu 35 postais. Este ano faz 90... e nós gostávamos que ele recebesse 90 postais.

 

Será que vamos conseguir?

Há quanto tempo não envias um postal ou escreves uma carta?!

Aproveita esta oportunidade!

 

Eu acho que vamos conseguir!!!

MISÉRIA Nº1 - A carteira do chefe

Um dos meus chefes ligou aflito a dizer que tinha ido apanhar um taxi, que o casaco lhe tinha caído e que agora se tinha apercebido que tinha perdido a carteira. Lá vai ela a correr à praça de taxis não fosse alguma alma caridosa ter encontrado a dita e guardado para entregar a quem provasse pertencer. Chego junto dos taxistas e um deles diz que um casal tinha apanhado a carteira e seguido o seu caminho.

 

Era um casal, duas pessoas portanto. "Uma mulher muito gorda com as banhas assim a sair", "Vá depressa que ainda os apanha" disseram os taxistas enquanto um deles ia para o outro lado da estrada e começava a gritar "Estão ali à esquina, dá-lhe a carteira!!!" Lá vou eu, a ver as peças... um homem e uma mulher efetivamente...gorda. Vejo-o com um cartão "golden", como diziam alguns clientes do banco, e a ela com a carteira na mão, a passar rapidamente para debaixo da t-shirt... curta e apertada. Pensei... isto pode correr mal...

 

Cheguei junto a eles com o ar mais cândido desta vida, e de outras, e pergunto "encontraram uma carteira não foi?" "sim, estávamos a ver se víamos o dono para lhe entregar". Isto tudo junto a um multibanco... deram-me a carteira e eu vim embora sem olhar para trás, nem mexer na carteira.

 

Acho que hoje vou sonhar com aquelas duas personagens e o taxista a gritar ao fundo da rua "Dá-lhe a carteira! Dá-lhe a carteira!"  

Pág. 1/4