Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Quem tem planos para o fim de semana?

via

 

O mais normal é escrever aqui os planos para o mês ou os planos para a semana, mas não é isso que vai acontecer hoje. Hoje vou deixar aqui os meus planos para o fim de semana! Ou melhor... vou deixar aqui uma lista de coisas que gostava que acontecessem, ou que vão mesmo acontecer. Quem sabe não sou surpreendida e o fim de semana acaba por ser muito mais do que eu pensava que ia ser?! 

 

  • Começamos pelo mais básico... tarefas domésticas... 
  • Regar flores e canteiros
  • Organizar o mês de Novembro e, já agora, o de Dezembro também
  • Ir ao cabeleireiro
  • Me time, que é como quem diz, tempo de mimo, esfoliação, limpeza, hidratação!
  • Ir ao Open Mag da Saber Viver espreitar as novidades, motivar-me e inspirar-me!
  • Ir ao cinema - ainda não fui ver o Assim nasce uma estrela de que uma amiga me falou tão bem, e de quem toda a gente fala
  • Jantar fora
  • Ler uns bons capítulos do livro que tenho em mãos e quero terminar
  • Passear pelas ruas e começar a sentir o cheiro a Natal
  • Fazer a lista de presentes para oferecer e compilar a lista de presentes que gostava de receber (que não são muitos :))
  • Recolher ideias para os postais de Natal. Acho que vou inspirar-me na minha prima A. e este ano vou fazer os meus postais todos. E são muitos! - para os que não têm este hábito, ou tradição, leiam os 10 passos para espalhar magia em forma de postal de Natal
  • Ouvir música e dançar em casa 
  • Pôr a leitura de blogs em dia
  • Pesquisar modelitos para o Outono/Inverno e reler as 15 dicas para dar um "vapti vupt" no nosso estilo
  • Fazer absolutamente nada! Ou melhor, estar no sofá a ver um filme ou série. Não é "nada" mas sabe bem.

 

Como me dizia uma amiga ontem, sobre um outro assunto, "Tens de escrever! Basta isso! O resto acontece!". Será que o mesmo irá acontecer quanto a esta lista de ideias para o meu fim de semana? E desse lado, quem tem planos para o fim de semana? Querem partilhar?

 

Dar sangue é dar vida!

via

 

A primeira vez que dei sangue foi num acto mais egoísta que altruísta. Admito. Estava desempregada há algum tempo e sentia-me inútil. Pensei no que podia fazer para mudar essa sensação, alguma coisa que não me enviasse cartas a dizer “obrigado mas não precisamos de si”, e lembrei-me de ir dar sangue. Infelizmente há sempre alguém a precisar da dádiva de um perfeito estranho.

 

Fui à maternidade Alfredo da Costa e não pude dar, estava fechado. Mas voltei e dei. Passado uns tempos, no local onde trabalhava faziam recolhas regulares e voltei a dar. Depois mudei de trabalho e também de ponto de recolha, passei a ser dadora no Hospital D. Estefânia. E embora seja verdade que da primeira vez o fiz para me sentir útil à sociedade, de todas as outras vezes fi-lo sem qualquer interesse. Apenas e só para poder ajudar alguém que pudesse precisar.

 

Uns anos mais tarde, tive um tio doente que fazia muitas transfusões de sangue e, depois dele, também o meu avô precisou de as fazer. Lembro-me de ter pensado que alguém os tinha ajudado, um dador como eu, alguém que se dispõe a dar um bocadinho de si. Um bocadinho que pode ser tão grande na vida de outra pessoa.

 

Ontem voltei a dar sangue! Fui, como sempre, muito bem tratada. Desta vez não fui sozinha, fui com uma colega de trabalho que já queria fazer isso há muito tempo.

 

E para quem pensa que dar sangue é um processo super difícil e complicado aqui ficam os requisitos:

  • Ser saudável e ter hábitos de vida saudáveis 
  • Ter entre 18 e 65 anos (sendo que a primeira dádiva deve ser antes dos 60)
  • Regularidade: Homens a cada 3 meses, Mulheres a cada 4 meses
  • Tomar uma refeição ligeira e sem gorduras antes de ir dar sangue

 

Antes de dar sangue preenchemos um questionário, depois vamos a uma consulta com um médico que avaliará se estamos aptos, ou não, para fazer a colheita nesse dia (níveis de hemoglobina, tensão arterial, medicação que estejamos a tomar, peso, etc). E depois disto é só esperar pelo tempo da recolha. Embora possa parecer assustador, não é! E no final ainda recebemos um lanche. Ninguém sai dali sem comer qualquer coisinha!

 

Os inconvenientes? Ora bem… nada de exercício físico nesse dia, beber mais líquidos do que o habitual (o que também não é grave) e não fazer esforços, nem carregar pesos. Nada demais!

 

Para aqueles que até gostavam de dar sangue mas andam a adiar essa decisão… sugiro que não pensem muito nisso, pesquisem onde o podem fazer nas vossas zonas de residência, ou trabalho, e vão lá. Se não puderem dar, o médico diz. Se tiverem dúvidas, serão esclarecidas. Se tiverem medo… vão ver que isso depois passa!

 

Para quem quiser mais informações:

Perguntas frequentes do Instituto Português do Sangue e da Transplantação

http://www.dador.pt