Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Nunca mais é Outubro

Bem sei que sou apologista do mês de Setembro. Gosto do que ele representa. Mas desta vez o mês de Setembro resolveu tramar-me como um Janeiro chuvoso e frio. São muitas solicitações, muitos acontecimentos, muitos requisitos. Alguns deles são coisas boas, é verdade. Bem, para ser mesmo correta, a maioria são coisas boas. A questão é que são muitas coisas ao mesmo tempo. Muitas ideias, muitas mudanças, muitos esforços, tudo ao mesmo tempo. E quando assim é os alicerces começam a ceder. Mais ou menos como as casas construídas pelos Três Porquinhos.  

 

O dia de ontem foi muito difícil. Muito difícil mesmo. Nada de grave e sem solução, mas difícil. Deitei-me com a vontade de o deixar ficar exatamente nesse tempo de ontem, que não passasse através dos sonhos para o dia de hoje. E consegui! A maioria das chatices ficaram lá, no ontem. Mas um bocadinho quis, porque quis vir passear até hoje de manhã. 

 

Hoje, já nem sei a que horas, falei com uma amiga que me perguntou onde andava a minha positividade. Ela andava por aqui, mas andava escondida. Conhecem o Murphy, aquele que aparece sempre e quando menos o queremos receber? Pois bem, hoje de manhã andou por aqui a bater à porta. E quando o Murphy aparece.... mas desta vez consegui fechar-lhe a porta na cara e continuar! E correu tudo bem, dentro dos possíveis! 

 

Enviei uma mensagem à minha amiga a contar tudo o que tinha conseguido fazer! Pequenos sucessos é verdade, mas foram sucessos! E agradeci a força que me deu. A maioria das vezes desvalorizamos as coisas que conseguimos concretizar, as metas que superamos, os itens que riscamos da lista só porque são poucos, pequenos ou quase sem impacto. E isso não pode ser! Um é melhor que nenhum e feito é melhor que perfeito! 

 

Para a reta final deste dia, para ganhar forças para conseguir dar mais uns passos, fui procurar a música que deixo aqui abaixo. É muito bonita e ao contrário da do outro dia, que era triste, esta é daquelas que dá força. Mais um esforço, mais uma tarefa, mais uma coisa riscada da lista. Nem sempre é fácil, mas quando conseguimos dar mais um passo em frente... é uma vitória e sabe bem! 

 

 

Lembram-se de ter perguntado por quem disse que o violoncelo era uma seca? Esta música ficou desse concerto. A outra que também ficou gravada na minha memória, e que esta semana é super atual, foi a versão do With or Without you dos U2. 

BANDA SONORA PARA O DIA DE HOJE

 

A música de hoje é bonita. Mas triste. Nunca a tinha ouvido, até ontem à noite quando a Katia Guerreiro a cantou numa praça da cidade, emoldurada pelo edifício da Câmara Municipal. Não conheço o trabalho dela, é verdade, mas esta música ficou. E ficou não só pela música em si mas sobretudo pelo que vou contar de seguida.

 

A praça estava muito composta. O público era maioritariamente adulto, portugueses e estrangeiros. Uns sentados, uns de pé, uns na esplanada e outros à janela do hotel (chique não é? Estar no quarto do hotel e ter um concerto neste enquadramento). Mas adiante. A Katia Guerreiro apresentou a música que ia cantar de seguida, disse que tinha letra do Vasco Graça Moura e música do Tiago Bettencourt.

 

Tocaram os primeiros acordes e ao meu lado apareceu um rapaz com os seus 19/20 anos, começou a filmar, declamou a letra muito baixinho e quando a música acabou, desligou o telemóvel, pô-lo no bolso e foi-se embora.

 

Apeteceu-me dar-lhe um abraço e dizer “vai ficar tudo bem”.

 

Hoje, enquanto ouvia a música repetidamente (porque quando as músicas são bonitas, sejam elas tristes ou alegres, eu gosto de as ouvir repetidamente) lembrei-me dele e pensei que, o que quer que seja que o faz gostar desta música, é coisa que deixa marcas. A saudade só por si é uma marca. Mas vai tudo ficar bem.

 

 

Este concerto fez parte do Programa Lisboa na Rua.

 

 

Ainda sobre a temática Setembro

 via

 

Fiz uma pesquisa pelos arquivos do blog para encontrar posts relacionados com esta temática do mês de Setembro. Uma das coisas giras de fazer estas pesquisas é que encontramos posts já com algum tempo, muitas vezes que já nem nos lembramos de ter escrito, mas que continuam atuais. Como é o caso.

 

O mais antigo remonta a 2013 onde compilei uma lista de coisas a fazer este mês. Chamei-lhe Checklist para o mês de Setembro mas como podem ver há muitas coisas que podemos fazer vários meses durante o ano. Em 2017 o desafio do mês de Setembro foi Simplificar - 30 dicas para 30 dias. Já passou um ano e mantenho esse desafio. Vou reler novamente as dicas com atenção e ver o que posso melhorar. Já em 2018, bem no início do ano, contei-vos que celebro a passagem do ano quatro vezes.

 

Ver estes posts só veio reforçar uma ideia que tenho tido esta semana. O mês ainda agora está a começar e eu tenho a sensação de que já estamos quase no fim. E claramente isso não é bom! O que demonstra que o ritmo tem que ser reavaliado para que a dança acompanhe a música e que essa música seja das boas!