Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Desafio do Mês - Janeiro

via

 

Um destes dias, imbuída do espírito do Ano Novo, dediquei-me a ouvir um podcast onde falavam de resoluções. Uma das pessoas falava em algo que não é novo, mas ao qual ela deu um twist: registar diariamente as coisas pelas quais estamos gratos. E qual é o twist nesta ideia?! É que ela regista separadamente as coisas pelas quais está grata no final do dia de trabalho e, à noite, as que se referem à sua vida pessoal.

 

Dizia ela, e bem, que muitas vezes focamo-nos demasiado no trabalho quando estamos a pensar no que de bom aconteceu no dia e as coisas boas da vida pessoal são postas em segundo plano, porque passamos a maior parte do dia a trabalhar. Devemos separar para conseguirmos ver que somos compostos por várias partes e que uma não é mais importante que a outra, são complementares.

 

O “grande” desafio deste mês, grande porque ainda só vamos no dia 10 e eu já falhei imensas vezes, é fazer um registo de coisas boas no trabalho e outro em casa. Para separar os dois campos.

 

Curiosamente… o registo no final do dia de trabalho é o mais fácil. Não porque não tenha coisas boas a registar a nível pessoal, mas por falta de disponibilidade para o fazer. Prometo que vou fazer um pequeno exercício de memória para completar os dias em falta.

 

Mas para hoje sei perfeitamente quais são as minhas duas coisas boas: no trabalho, foi saber que a semana passada alguém usou como referência, a um dos meus colegas, um trabalho que fiz em 2012. E isso deixou-me para lá de contente. Pessoalmente, e apesar de agora estar quase a fazer futurologia, vai ser o jantar com uma amiga que vive longe e com quem, infelizmente, não estou muitas vezes, mas que parece que vive do outro lado da rua. Esta vai ser uma coisa boa, se vierem mais... acrescento! :)

 

PS: Um dos meus avôs fazia anos hoje. E apesar de tudo, isso também é bom, não é?