Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

Edição Limitada

“Não tenho tempo pra mais nada, ser feliz me consome muito”. Clarice Lispector

3 Passos para uma casa simples

A semana passada falei sobre viver uma vida simples. Uma parte considerável, ou representativa, desta vida simples é a nossa casa, o nosso dia a dia e os nossos hábitos. E toda a gente sabe que mudar hábitos não é a coisa mais simples do mundo. Não tocamos num botão e "Tcharan! Deixei de beber café!" ou "Tcharan! Deixei de _____ (inserir aquele hábito que queremos mudar mas teima em fazer-se difícil).

 

Dei comigo a pensar: "como é que tu queres tratar de tudo num fim de semana quando demoraste mais que duas décadas a juntar estas coisas?". E caiu-me a ficha. Realmente, como é que eu queria, quase, deitar-me numa casa onde tinha coisas ainda do meu primeiro ano da Universidade e acordar na casa que eu quero ter hoje. Não é fácil. Há muita coisa envolvida. 

E podemos pedir ajuda, claro que sim, mas não é a mesma coisa. O melhor é sermos nós a tomar as decisões, quer para vermos onde andámos a gastar os nossos trocos, quer para nos apercebermos da quantidade de coisas que temos, ou ainda para ajudar na tomada de decisões no futuro. Porque isso sim é que vai determinadar o sucesso desta missão.

 

Ao longo do processo deparamo-nos com o copinho de canetas que a amiga trouxe do Brasil, ou a moldura que outra amiga ofereceu, a varinha mágica que era da avó, ou a t-shirt que usámos naquele concerto espetacular em 1900 e troca o passo (este último é um exemplo fictício. Onde é que isso já vai!?) Mas estas coisas que foram oferecidas por pessoas próximas ou que de alguma forma nos trazem boas recordações... estas são tramadas. O mais divertido é que quando dizemos a essa pessoa, quase a medo, que nos desfizemos desse pertence... ela já nem se lembra do que estamos a falar e nós andámos com o copinho das canetas durante uma data de mudanças de casa, e uma data de tempo dentro do armário, porque não fica bem na decoração atual. 

 

Falemos então dos passos: 

1º Passo: Destralhar devagar mas de forma consistente - Começar é sempre o mais difícil. Até porque a quantidade nos pode assustar e não permitir perceber qual o primeiro passo. 15 minutos e uma gaveta pequena podem fazer maravilhas neste "pontapé de saída". Trabalhar uma coisa de cada vez, em vez de querer fazer tudo num só dia, pode ser uma boa estratégia. Temos é que ser consistentes. Se tivermos tempo e disposição para atacar a tralha um dia inteiro também o podemos fazer. Não podemos é achar que resolvemos tudo de um minuto para o outro.

 

2º Passo: Não ocupar o espaço que ficou vazio - Resistir e relembrar porque é que começámos esta jornada e onde é que queremos chegar. E mais, menos coisas significam menos tempo em limpezas e menos tempo em limpezas representam mais tempo para fazer o que quisermos fazer com ele. 

 

3º Passo: Pensar antes de comprar - Preciso mesmo disto? Porquê? Onde é que vou guardar? Quantas vezes me vai ser útil? Quanto tempo vai durar? Não conheço ninguém que me possa emprestar? Quanto menos coisas deixarmos entrar em nossa casa, melhor. E às vezes nem são coisas compradas.Ofertas em eventos podem ser um bom exemplo disto.

 

Organizar e destralhar ajudam ainda a poupar dinheiro. Como passamos a saber o que temos e onde temos, a probalibilidade de comprar repetido reduz-se significativamente. E depois ainda chegamos à conclusão que a resposta à pergunta "preciso mesmo disto?" passa a ser muitas vezes "não". E com isso acabamos por começar a poupar dinheiro. Mas sobre isto virei aqui falar daqui a uns dias. 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post